quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

Tudo vai melhorar

Desejo a mim mesma e a todos que visitam o meu blog um
FELIZ 2009.

Não tem sido fácil a vida “na casa”, casa não é necessariamente um lar, e isso é o que mais doi na minha vida.
A presença do G na casa é tão negativa, que eu apelei para sal grosso.

sábado, 20 de dezembro de 2008

Seria Comico se Não Fosse Patéticamente Trágico

Por alguma razão que eu não sei explicar, desde que eu e o G casamos e continua depois do divórcio, essa época é a pior dos 365 dias do ano. Nós sempre brigamos feio e a separação definitiva começou nos últimos dias de 2003 e terminou no dia 3 de janeiro de 2004.
Tivemos uma discussão acerrada na quarta-feira da semana passada dia 10 de Dezembro, que terminou com ele jogando louça, panelas e quebrando o vidro da porta de correr da cozinha quando ele virou a mesa de pernas para o ar.
O problema começou quando no terceiro dia de visita da Dondoca, eu perguntei para ele quando ela ia voltar para a casa dos pais, a resposta foi na próxima semana. Eu que já estava stressada com a presença dela, e cá entre nós, ele tambem, porque na segunda-feira quando cheguei do trabalho, ela me disse que ele estava mal humorado e gritando com ela o dia todo. Não deu dois minutos e ele disse para ela me deixar em paz, disse para ela calar a boca, porque nem ele aguentava ela falando 24 horas por dia. Me deu pena dela pelo jeito que ele falou com ela, e quando ela saiu pro terraço, eu disse a ele que ele tinha que parar de falar com ela desse jeito.
É, foi burrice minha devia ter ficado quieto e deixado os dois se entenderem.

Quando ele anunciou que ela ficaria por mais uma semana eu retruquei dizendo que era demais. Ele ficou P... da Vida.

Sai para levar meu irmão para uma cirurgia e quando voltei o G tentou me agradar dizendo que tinham feito compras no supermercado e alugaram um filme para nós todos vermos.

QUE TIPO DE NAMORADO FICA FELIZ DA VIDA PASSANDO OS DIAS EM COMPANIA DA NAMORADA NA CASA DA EX-MULHER, E EM COMPANIA DA EX-MULHER???????????

E QUE TIPO DE NAMORADA ACEITA ESSA SITUAÇÃO???????????

É loucura total!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! E eu estou vivendo essa loucura diária!!!!!!!!!!!!!!!!


Fui pegar meu irmão, deixei ele na casa da minha mãe e voltei para casa. Disse ao G que eu não queria nada; sómente paz e sossego sem a Dondoca na minha frente falando e sacudindo o nene.
Foi a gota d’agua; ele explodiu.

Depois da explosão ele levou ela para a casa dos pais, e voltou mais tarde para cá.
No dia seguinte, não nos falamos e eu disse a ele para nunca mais falar comigo.
Ele foi para a casa dos pais dela e ficou lá até a segunda-feira.

Quando ele voltou, continuamos sem nos falar. Na quarta-feira, eu tinha uma reunião as 7 da manhã no trabalho, depois disso ia pegar minha mãe, e iamos até a JC Penney para que eu pudesse gastar um cupom de 10 dolares que me mandaram pelo correio, e terminar minhas compras de Natal.


Fomos e depois das compras resolvemos almoçar no Sweet Tomatoes. Estavamos no meio do nosso almoço quando eu olho para o lado e vejo um cara com um cobertorzinho de nene pendurado no bolso da calça.


Falei para minha mãe: “ Será que esse palhaço não percebeu que ele tem isso pendurado no bolso?”

Minha mãe - “Meu Deus, Lisa é o G!!!!!!!!!”

Não era só o G. Era o G, a Dondoca/Nene nos braços, a mãe dela e um cara que eu achei que era o irmão dela.



Entre mil pensamentos tipo: Que droga e agora o que fazer? Olho não olho...... Vou embora..... Olho e faço cara feia....... o que fazer?
Resolvi; virar, olhar para o G, e esperar a reação normal de um homem normal que seria:

- Não acredito que minha ex está aqui. Dondoca vamos embora já!!!!!

Mas, nesse caso, no caso do G, a reação dele ao me ver foi a de: abrir o maior sorriso, como se ele tivesse encontrado o melhor amigo da vida dele
Minha mãe ficou furiosa, levantou e foi pegar uma sopa no buffet.

G – Aonde sua mãe foi?

Eu – Foi pegar uma sopa?

Ele tem paixão pela minha mãe e respeito. Levantou e foi falar oi para ela.

Que tipo de namorada assisti a isso tudo quieta. Que tipo de namorada não vira e fala para o namorado: " Se voce gosta tanto dela e da sua ex-sogra, porque voce não fica com elas."


Ele voltou para a mesa dele antes que minha voltasse para a nossa. E disse para mim:

- ”Quero que a sua mãe veja o nene! ”

Terminamos de almoçar evitando olhar para a mesa deles. Antes de levantar para ir embora, decidi dizer a ele que já iamos (Não me pergunte porque), ele literalmente arrancou o nene dos braços da Dondoca que estava dando de mamar e trouxe para a minha mãe. Ninguem reage normal, porque o nene não é dele!!!!!!! É de uma mulher que ele namora e um outro homem!!!!
Minha mãe sorriu, por educação tocou o nene e disse adeus.


Meia hora depois ele me ligou, eu não atendi, ele deixou uma mensagem perguntando se minha mãe tinha gostado do nene.
Ligou de novo eu atendi e disse que ela achou o nene bonitinho. Ele me contou tudo o que aconteceu no forum pela manhã, eu dizendo sómente Hum, hum. Ele falando como se tudo estivesse bem, como se ele não tivesse quebrado coisas na casa, como se fossemos os melhores dos melhores amigos.

terça-feira, 2 de dezembro de 2008

Nada Muito Novo





Voltei a fazer ginástica na academia. Fiquei uns 2 meses sem ir e na semana passada descobri que tem um LA Fitness a 2 quadras do meu trabalho. Eles deixaram um folheto de propaganda no meu parabrisa, e era um convite para usar a academia por 7 dias de graça. O G viu o folheto e ficou todo entusiasmado ( ele gosta de caminhar e de fazer exercícios, mais do que eu gosto).



G – Vamos. Voce vai gostar. Eu posso te ensinar a usar as maquinas.



Ele não sabe que eu frequento uma academia há quase 2 anos. Não sei porque mantive esse segredinho.
Na sexta já fui e comecei a exercitar. Estava necessitada, não só porque tudo começa a cair mas também por que me sinto mais disposta, quando faço exercícios.
No sábado ele, que não teve notícias da Dondoca por uns dias, decidiu ir comigo. No caminho foi me dizendo que ia me ensinar a fazer os exercicios, e a usar as maquinas.
Chegando lá ele começou a me dizer que eles teriam que emitir um segundo passe para que nós dois usassemos a academia. Eu fiquei quieta, sem dizer que ele era o único que precisava do passe.
Entramos eu mostrei meu cartão, e disse para a recepcionista:

Eu – Eu sou membro da academia, mas ele não é. Ele recebeu esse passe para usar por sete dias.



Ela para o G – Ok. Preciso da sua carteira de motorista....... bla, bla..........




Quando ela terminou de dar entrada na informação dele, ele virou para mim e disse:



G – Um membro da academia? Voce é membro da academia? Há quanto tempo?



Eu – É! Eu sou! Uns dois anos, eu acho.



Ele ficou quieto, mas conhecendo ele, sei que ele acha divertido esses segredinhos.



Eu – Como voce acha que eu mantenho “esse corpinho lindo”.



Meu corpo não é lindo, mas exercitando eu mantenho tudo no lugar e perco o maldito pneu na minha barriga.
Mas toda essa conversa afeta a ele, porque a Dondoca está um barrilzinho, ela não gosta de ginástica e come doce que nem louca. Na Quinta-Feira ele comprou uma torta de nozes, que é a minha favorita, e uma de abóbora (favorita dele). Eu tinha ido almoçar na casa da minha irmã e como eu comi demais, decidi não jantar. Lá pelas 9 ele foi pegar um pedaço da torta de abóbora, e da cozinha ele falou:



G – Puxa, voce já comeu metade da torta?



Eu – Não, não comi nem um pedaço ainda. Eu comi demais não quero ver comida até amanhã.



G – Ah! Então foi a Dondoca!!!!! (ela tinha passado o dia aqui com ele). Provavelmente comeu enquanto eu tirava uma soneca.



Eu – Ela vai longe, hem?



G – Como assim?



Eu – Ela come muito doce, vai ser difícil perder todo o peso que ela ganhou na gravidez.



G – É, eu tenho que fazer alguma coisa a respeito disso.



Eu – (sarcásticamente) É, o mais rápido possivel.

No sábado, exercitamos, nadamos, fomos na sauna e depois fomos almoçar fora. Depois de tudo isso eu fui trabalhar, trabalhei até as 11 da noite, e me senti ótima. No Domingo antes de irmos, eu fui checar o blog dela e vi que ela escreveu que o G havia sumido e que ela estava preocupadíssima com ele. E escreveu para que se eu soubesse o que estava acontecendo para ligar para ela, mas que ela ia passar aqui em casa de qualquer jeito para ver o que estava acontecendo. Eu fingi que não vi, mas logo depois ela bateu na porta aqui em casa. Eu abri a porta e com uma cara de surpresa chamei o G.


Nem 5 minutos depois ela foi embora. Não perguntei o que aconteceu, ele perguntou se eu estava pronta para ir para a ginástica e fomos sem falar no assunto.



Eu tentei ajuda-la várias vezes, dando dicas sobre como entender o comportamento dele. E o que ela fez foi correr para contar para ele, como se eu estivesse fazendo a caveira dele. Muito tonta!!!! Eu não estava falando mal dele e ele sabe disso. Resultado ela não vai ter mais a minha ajuda.


Se eu tivesse alguém como eu quando eu conheci ele, que me dissesse coisas que ajudasse a minha relação com ele, eu provavelmente estaria casada ainda com ele e provavelmente feliz.
Eu agora entendo o G muito mais do que quando eramos casados, e entendo porque eu vejo a reação dele com relação a ela. Acho que já mencionei aqui, que ele é ciumento, apesar dele jurar que não é. Mas eu só vi esse lado dele observando a relação dele com ela. Ele é inseguro, até com relação a familia dela, da mesma forma que ele era com relação a minha familia
E quando ele está inseguro, ele não fala, ele deita e dorme e fica muito quieto quando está acordado. Na época que eramos casados eu ficava P da Vida quando ele fazia isso, e a coisa piorava, porque aí eu ficava sem falar com ele.
Hoje, quando ele está assim, eu viro e digo: “O que foi que aconteceu que meu ex está tão quieto?”. Ou digo: “ Eu sei que voce está chateado com alguma coisa, então eu vou te deixar em paz e vou ver um filme.” 5 minutos depois ele vem e começa a falar. Primeiro pergunta que filme eu estou assistindo, se é bom, e aí de repente ele começa a falar sobre os problemas.


Eles reconciliaram. Esta tudo de volta ao normal.

Na segunda-feira fui almoçar com a minha mãe e de tarde fui na academia que eu ia antes, que é perto da casa dela.
É chato fazer exercicios sózinha, com alguém eu fico umas duas horas lá, sózinha eu termino a sequência em 1 hora.




Tem um menino oriental que tem um corpo perfeitamente formado. Entre um exercício usando as máquinas e outro, ele fica dando socos no ar e pontapés como um lutador de kickboxing, é bárbaro. Eu adoro ficar olhando ele se exercitar. Eu sempre procuro as máquinas que me dão, pela localização, uma visão clara de onde ele está. Não tem nada, não quero nada com ele, é só voyerismo.
Enfim estou me sentindo ótima e com uma super energia.




Preciso de um computador novo, esse já tem uns 6 anos está tão devagar que me dá nos nervos. Já cheguei a aumentar a memória, mas a essa altura gastar mais dinheiro é besteira, melhor comprar um novo. Vamos ver se na época do natal aparece uma boa promoção.






Meu primeiro computador era parecido com esse.

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

FELIZ DIA DE AÇÃO DE GRAÇAS


Hoje, aqui nos EUA, é como Natal. Se faz peru farofa etc para celebrar e agradecer por tudo de bom que se tem na vida.
Eu mesmo com tudo que me acontece, só posso agradecer. Tenho saúde, o dinheiro apesar da crise está dando para viver, dou risada mais do que choro (Graças a Deus não tenho tido motivo para chorar). Enfim, está tudo bem.
Vou para a casa da minha irmã almoçar, estou levando minha famosa Cassarola de batata doce, enfim muita comida boa, amigos queridos e familia reunida, paz e amor é a palavra do dia.

G vai pegar a Dondoca e vão passar o dia aqui em casa. As 6 da tarde ela vai celebrar o dia de ações de graça com a familia e amigos, o G não foi convidado.
Não entendo o que passa pela cabeça dele que ele não entende a mensagem.
Sei lá, não é probçema meu.

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Era Sonho e se Acabou......

Minha felicidade acabou.
O trabalho em Miami acabou, isso quer dizer que meus dias de solteira se acabaram.
Dondoca passou o Sábado e o Domingo aqui (depois de uma briga na sexta-feira) e hoje ela voltou para a casa dos pais. Eu cheguei a ficar apavorada achando que ele ia mante-la aqui a semana toda.
Enfim. tudo em paz, ela foi embora e a vida volta ao normal.

Não posso me queixar do meu fim de semana. Trabalhei Sábado e fiquei livre no Domingo.
Fui almoçar com minha mãe e depois sai com o R. Assistimos um filme na casa dele e hoje estou de volta ao trabalho. Isso de ter dias livres separados não é bom mas parece que eu aproveito mais, mas descanço menos.

quinta-feira, 20 de novembro de 2008

Adorando a Vida de Solteira (ainda que temporaria)

G esta ficando fora de casa durante a semana. Agora ele está trabalhando em Miami.

Não ter alguém pensando, respirando, falando perto de voce traz uma paz de espirito imensa. Tenho assistido filmes na cama com meus gatos (tem feito frio) e até pensei em abrir uma garrafa de vinho. Tenho feito limpeza de pele, passo creme no corpo todo (sem o G me perguntando na porta do meu banheiro porque eu estou "trancada" no banheiro e se está tudo bem).
As pessoas não se conformam que eu não estou numa relação firme com alguem. EU NÃO QUERO.


Não quero ter a obrigação de chegar em casa e ter que telefonar para um homem, ou no meu dia livre ter que sair com um homem. Por enquanto não sinto a falta deles.


O Bill, que eu pensei uma vez que poderia ser uma compania agradável, acabou mostrando o lado possessivo dele, o que me fez cair fora rápidinho. Não atendi os telefonemas dele e nem liguei de volta quando ele ligou e deixou recados. Graças á Deus ele entendeu a mensagem e sumiu.
O Tom (nós trabalhavamos juntos no meu último emprego) me liga de vez em quando, a gente joga conversa fora, e só. Perfeito!
O S me liga (somos amigos desde que... eu acho que tinha uns dez anos de idade), mas não é sempre que atendo, porque a primeira pergunta é:
S – “ E ai Lisinha? Quando que voce vende a casa? - e a segunda pergunta: - "E o idiota do G? “ – e ai ele vem com 200 perguntas, sempre as mesmas que ele já está cansado de saber a resposta e eu estou saturada de responder. Uma amizade de 40 anos que ficou cansada, esgotou por falta de assunto.

E de vez enquando o R liga. O R é especial. Eu gosto quando ele liga, sem paixão só carinho e conforto. A primeira vez que ele me beijou, eu deixei claro que não queria me envolver com ninguém, que era só fisico. Ele me chama de foxy girl (Jimi Hendrix som Foxy Lady). Ele me liga, a gente põe as novidades em dia, ele me pergunta se eu quero ir jantar em algum lugar especial (cama), o que eu quero comer, as vezes só um cheeseburguer e milk shake, e um filme na casa dele é o paraiso (cama). As vezes eu ligo (não muito), quando alguma coisa muito especial acontece eu telefono, e até agora não fui rejeitada nos telefonemas. Mas, eu sei que eu não sou a única, mas sei que sou especial. Não espero nada dele e sei que um dia vou ligar e ele vai me contar que conheceu alguém especial, e eu vou (lógico que vou) ficar chateada.

Minha familia não sabe dele ( não quero um interrogatório diário). Alguns amigos sabem e sabem que não tem nada entre a gente. O G: nem sonha que ele existe. A última vez que ele "percebeu" que eu estava namorando, o lado ciumento e possessivo dele veio a tona, transformando minha vida num pesadelo diário, com discussões sem fundamento e telefonemas para o meu celular a cada meia hora, só parando com as ligações quando eu questionei o fato dele me ligar quando ele estava em compania da Dondoca.


E tem o meu vizinho. Mais conhecido como o “meu futuro marido”.

Tudo começou durante o meu divórcio, quando eu estava sózinha na casa e ele disse para mim um dia (no jardim) que se eu quisesse ele cortaria a grama do meu jardim. Eu agradeci e disse que não precisava que eu mesma cortaria. Na segunda conversa que tivemos, ele me disse que o G deveria levantar as mãos para o céu, porque eu era uma Santa que não estava infernizando a vida dele durante o divórcio. Ele me disse que a ex mulher dele, aprontou de tudo para ele (riscou o carro dele, furou pneu, etc etc ).


“Meu futuro marido” não é bonito, é um cara super calmo, trabalhador e tem uma qualidade que o G nunca teve e nunca terá, ele se preocupa com o futuro.

Ele trabalhou por uns 5 anos em dois empregos, um de 7 as 4 da tarde e o segundo de 6 da tarde as 11 da noite, as vezes até mais tarde, entregando pizza para Papa John´s Pizza. Eu achava que ele como bom americano saia todas as noites “pro bar”, mas um dia em que eu estava estacionando na casa da minha irmã e ele passou de carro e buzinou para mim. No dia seguinte ele me contou que estava entregando pizza naquela area onde minha irmã mora, que tinha esse segundo emprego assim ele com o dinheiro conseguiria pagar a casa que ele comprou em alguns anos. E ele já terminou de pagar a casa.

Enquanto eu estava sózinha na casa, a gente se falava só quando estavamos no jardim. A única vez que ele bateu na minha porta (as casas não tem campainha nos USA) foi com uma pizza na mão dizendo que ele tinha trazido para comer mas acabou não comendo e perguntou se eu queria (G as vezes me chamava de pizza girl, porque eu adoro pizza e Papa John’s é uma das melhores). Aceitei, e ele que estava de saída para o trabalho foi embora sem maiores problemas (esse é o meu tipo de homem: sútil, vai conquistando aos poucos)
Depois disso nos falamos algumas vezes, mas como ele trabalhava muito e os nossos horários não combinavam a coisa ficou meio no ar. Depois, o G voltou e eu sai da casa, fui para a casa da minha irmã e a coisa esfriou de vez.
Quando voltei, ele provavelmente pensou que eu era louca de voltar a morar com o G, então ele saiu da cena.
Tudo isso que eu contei aconteceu em 2004. Uns dois anos atrás, eu fui falar alguma coisa para ele (não lembro o que) e ele perguntou de novo se eu queria uma pizza, eu lógico peguei a pizza. Naquela época, o G que ainda estava completamente paranóico, se recusou a comer a pizza porque ele disse que estava envenenada. Não, não estava! Estava ótima e eu comi toda.
Depois disso nada mais aconteceu. As vezes eu via ele chegar ou sair (quando estou fumando na varanda), mas não nos falamos mais.
Mas..., eu notei que as vezes uma garota vem ve-lo. Um pouco desapontada e ao mesmo tempo feliz por ele não estar tão sózinho, eu tentei analizar as palavras e gestos dos dois para saber quem diabos era aquela garota que vinha na casa do meu “possivel futuro marido”. Eu sabia que ele tem uma irmã porque o John meu vizinho da frente, que é o fofoqueiro me disse. Bom para encurtar a história, essa semana finalmente eu fiquei sabendo de toda a verdade sobre ele contada por ele mesmo.

Eu estava saindo de casa para buscar minha mãe, quando ele passou com um cachorrinho. Eu disse: Oi! Esse cachorrinho bonitinho é seu?
Ele, me olhando feio como um bom Americano achando que eu ia implicar com o cachorro disse: É, porque?
Eu – Eu vi voce outro dia mas pensei que voce estava tomando conta dele para alguém. Ai, que bonitinho, vem aqui!
Quando eu comecei a acariciar o cachorro ele mudou de expressão e de tom de voz. Daí para frente foi fácil.

- A misteriosa mulher é a irmã dele!!!!!!!
- Ele adoptou um cachorrinho (gente que gosta de bicho tem bom coração)
- Ele perdeu o emprego ( 7 as 4), por causa da economia, mas já arranjou outro
- Está pensando em mudar para o Texas, porque tem mais oportunidade de trabalho (dancei, não quero mudar para o Texas)
- A casa esta paga e para mudar para o Texas ele tem que vender. Eu falei para ele que não era época de vender (ponto para mim, ele concordou)

Enfim ficamos conversando no meio da rua por quase uma hora. E nos despedimos com um “legal falar com voce, a gente se ve. É, mas vai ser dificil porque a gente está sempre trabalhando” .

Mas, antes da despedida consegui encaixar na conversa a explicação para o fato de eu estar morando com o G mesmo depois do divórcio. Talvez ele não pense mais que eu sou louca. Mas, não mencionei a Dondoca, que ele com certeza ve rebolando o bumbum imenso dela pelo jardim. Segundo a minha mãe, eu não tenho que me preocupar com os vizinhos, porque provavelmente eles estão pensando que é a nossa filha com a nossa neta.

P.S.: Por falar em bumbum imenso.....

Ontem o G chegou de Miami, foi buscar a Dondoca e voltou feliz da vida com uma balança. Entrou em casa todo excitado, me chamando e dizendo que tinha comprado a balança numa liquidação. Quero que voce exprimente a balança.

Eu posso ter alguns complexos, mas um complexo que eu não tenho é com relação ao meu peso.

Abri a caixa e pulei na balança. 121 libras = 54 kilos para meus 1,58 de altura não esta mal.

Maldosamente eu disse: - Ai eu engordei, comi bolo de cenoura a semana toda (o que é verdade)

O G subiu na balança e eu pus meu pé o que deu 220 libras, ele nao percebeu e ficou histérico até que ele notou a minha gracinha. Ele esta pesando 180 libras. A Dondoca ficou muda, porque ela deve estar pesando umas 150 libras ou mais e ela é mais baixa que eu. Ela começou a trocar a fralda da J e não se falou na possibilidade dela se pesar.

terça-feira, 11 de novembro de 2008

Usando e Abusando Dele

Depois da conversa com o G, no domingo, sobre os meus problemas, veio a nossa conversa sobre os problemas dele.

A Dondoca passou o final de semana aqui em casa. A prisão domiciliar dela ainda não foi efetivada, então eles estão aproveitando esses últimos dias de liberdade juntos, não vou ser eu a chata que vai atrapalhar os dois pombinhos.

Estava um clima super relaxado. Ela até pediu para eu segurar a nenê (J) enquanto ela esfregava as fraldas (é, ela se recusa a usar fraldas descartáveis na J). Eu, lógico, que curti e quem não curti um bebê. No domingo ela pediu para o G ir com ela na Igreja. Eles foram, eu fui trabalhar e tudo parecia perfeito, todos felizes cada um na sua.
Na Igreja a J começou a chorar sem parar, aliás aqui em casa, ela estava chorando muito, e eu mencionei só para o G que não era certo ficar com ela no colo o tempo todo (até perguntei para a Dondoca se a J dormia no berço e a Dondoca com um sorriso timido disse que não). O G aqui em casa, deu uns gritos com a Dondoca dizendo que ela tinha que deixar a J deitada sózinha, mas a Dondoca ficou toda histérica como se ele estivesse dizendo para ela abandonar o nenê.
Bom, na igreja a coisa ficou fora de controle, não havia nada que fizesse a J parar de chorar. O G foi com a J para fora e a Dondoca seguiu ele. Alguém veio lá fora, e disse que eles não tinham que sair só por causa da nenê, a Dondoca queria voltar mas o G falou não, porque ele tem conciência de que na verdade um choro descontrolado de um bebê incomoda a paz de um culto.

Segundo o G a Dondoca ficou P da vida com ele, e começou a gritar dizendo que ele não era o pai da criança, que ele não tinha que dizer a ela o que fazer, e que o nenê é só dela!!! E pior do que isso, ela tinha acendido um cigarro e acabou queimando o G no braço com o cigarro, de proposito. Ele virou as costas e foi embora.
Quando ele me contou a história, eu fiquei furiosa. Tudo estava perfeito, ele se vira em dois para agrada-la e ela fica brincando com ele?
Abri minha boca, e falei de novo tudo o que pensava dela, não penso que é justo com ele usar a criança e os sentimentos dele dessa maneira.

Eu – “Toda vez que voces tiverem uma discussão ela vai jogar isso na sua cara”

G – “É! Eu sei.”

Eu – “ O que vai acontecer em alguns anos? Voce vai estar muito apegado a J e a Dondoca vai tomar decisões com a cabeça de minhoca dela e voce vai ficar calado? Ela vai fazer ameaças usando a criança. Voce tem que pensar em tudo isso.”

Ele me disse, que sentia que os pais dela estavam fazendo a cabeça da Dondoca para ficar contra ele. O G é assim, sempre tem uma força maior por traz das pessoas mudando a personalidade e influenciando, não é nunca culpa dele ou da pessoa.
Apaguei a luz, ele apagou a luz do quarto dele, ficamos quietos por alguns minutos.

Eu – “ Pense bem G, isso não é uma coisa temporária, é para o resto da sua vida. Voce me conhece, eu tenho os pés no chão, eu sou as vezes muito realista, voce tem que analizar essa situação com frieza. Boa noite, durma bem."

99,99999999.....% das vezes que eu dei minha opinião contraria a respeito das decisões que ele estava tomando, eu estava certa. Ele saiu machucado da situação? SIM.
Eu nunca falo nada como: Eu ti falei, voce não me escutou.
Ele 99,9999999.....% vem e me fala: “Puxa voce me falou e eu não te escutei.”

Ele foi trabalhar em Miami e ficou lá a semana toda. Me ligou 2 ou 3 vezes por dia. Na quinta-feira perguntei o que ele ia fazer no fim de semana, e ele me disse que ia pegar a Dondoca e passar o final de semana com ela.

Eu – “ Ah! Então ela te ligou?

G – "É ligou (ele meio sem jeito)."

Eu – "E está tudo bem?"

G – "É, está tudo bem."

Eu – "ELA TE PEDIU DESCULPAS."

G – "Hum..... não."

Eu – "Uau!........ Ela ........não ........ pediu ......... desculpas. Bom, voce sabe o que faz. Te vejo amanhã depois do trabalho. Tchau."

A Primeira Impressão Não é a Que Fica




No domingo cheguei em casa do trabalho e eram quase 11 horas da noite.
Eu havia deixado um bilhete para o G na mesa da cozinha, dizendo que eu tinha uma pergunta para ele sobre o seguro desemprego. No bilhete pedi para ele deixar um recado no meu celular dizendo se ele ia tirar uma soneca a tarde ( depois de ir a igreja com a Dondoca) ou se ele ia estar acordado para que eu pudesse ligar para ele na hora do meu lunche.
Ele não me ligou o que não comum da parte dele, e eu já comecei a ficar preocupada. Quando cheguei em casa ele já estava dormindo.

Tomei banho, comi um sanduiche, assisti um pouco de tv e fui deitar.. Deitada, quando fui apagar a luz escutei o G se mexendo na cama.
O G falando do quarto dele: - E ai, está tudo bem no teu trabalho?

Eu – Foi tudo bem. Estava tranquilo.

G – Voce não teve problemas?

Eu – Não. Estava até divertido. ....... Bom, na verdade eu tive um problema com uma garota. Ela foi indelicada comigo na frente do cliente, e indelicada com o cliente.

G – O que aconteceu?

Depois que eu contei o que aconteceu, eu fiz esse comentário.

Eu – Sabe que a impressão que eu tive, é de que ela estava esperando que eu falasse alguma coisa para ela, só para ela me dar uma “patada”. Desde a semana passada eu reparei que ela é a única que não fala uma única palavra comigo.

G – Honey, eu vou te falar uma coisa, a sua aparencia é o oposto do que voce é. Por isso que as vezes as pessoas que não te conhecem se sentem intimidadas perto de voce.

Eu sei exatamente o que ele estava dizendo, eu cheguei a mencionar para ele, anos atrás, um trauma que eu tenho da minha adolecencia.
Meu pai sempre tentou nos dar conforto financeiro e paz de espirito. Nós estudamos nas melhores escolas de São Paulo (Dante Alighieri, Iade, PUC e Mackemzie) e frequentavamos o Ilha Porchat Club que era considerado um club de elite da Baixada Santista (isso na decada de 60 e 70, em meados da decada de 70 o club entrou em decadencia e meu pai vendeu o titulo).
Moramos na Aclimação, depois mudamos para São Vicente (um apartamento de 4 dormitorios e 5 banheiros!!! com uma vista linda para o mar), em meados da decada de 70 voltamos para São Paulo e fomos morar na Vila Nova Conceição.
No Ilha Porchat Club havia um bar num dos salões, que era gerenciado por uma familia composta do marido, a esposa e dois rapazes. Eu achava super legal aquela familia trabalhando junta, uma coisa que eu gostaria de ter. Hoje pensando sobre eles, eles trabalhavam 6 dias na semana e nem sei por quantas horas por dia. Um dia sem motivo nenhum da minha parte para ofende-lo, um dos rapazes virou para mim e disse:
Se voce pensa que voce é melhor do que nós, voce não é. Voce com toda essa arrogancia...........” e continuou falando o que ele pensava de mim, mas eu travei e não escutei mais nada, nunca entendi o porque daquele odio dele por mim. Aquele acesso de raiva contra mim. Eu tinha 12 ou 13 anos de idade, sempre tratei ele super bem, nunca falei nada que pudesse ter ofendido ele.
Nunca esqueci esse rapaz e o odio dele por mim.
Anos e anos depois eu entendi que eu representava tudo o que ele não tinha. Os 3 meses de férias na praia, o bronzeado de sol, o dinheiro da mesada que meu pai me dava para gastar no bar do club e na praia (que não era muito), eu me divertindo e ele trabalhando.

Quando eu decide mudar para os EUA, na entrevista no consulado americano no Rio de Janeiro, eles me falaram que eu dificilmente conseguiria um trabalho na minha area (Arquitetura), que eu provavelmente ia acabar lavando louça num restaurante ou limpando quartos num hotel. O entrevistador me perguntou: - “Voce sabia disso? Voce vai aguentar esse tipo de trabalho?” E eu respondi com raiva: - Logico que eu sei disso! Voce não me conhece eu não vou ter problema nenhum, é um trabalho como outro qualquer.”
Mudei para cá e o meu primeiro emprego foi de maid num hotel de luxo em Palm Beach (limpando quartos dos hospedes). No meu primeiro mês trabalhando eu achei divertido, mas ficava com aflição de limpar a sujeira dos outros. Mas, quando recebi meu primeiro pagamento por uma semana de trabalho que era o equivalente a um mês de trabalho no Brasil........ todas as minhas preocupações desapareceram. Acabei sendo diretora do departamento e odiei. Detesto ter poder e ter que lutar para manter o poder. Sempre ficava do lado dos meus funcionários, na hora que as pessoas começavam a puxar tapete e enfiar facas nas costas dos outros.
Hoje trabalho em atendimento ao cliente num supermercado de produtos naturais e organicos onde gente com muito dinheiro e habitos saudaveis para comer fazem compras. Adoro o meu trabalho. Ganho metade do salario por ano que eu ganhava, mas tenho paz de espirito e me divirto fazendo o meu trabalho.
O vice-presidente de uma companhia que eu trabalhei por 10 anos aqui, me disse uma vez, que a coisa mais importante na vida é gostar do que voce faz, se divertir fazendo o seu trabalho, e me disse que quando o trabalho vira uma preocupação e voce não se diverti mais, voce tem que cair fora, mudar de profissão, mesmo que voce tenha que recomeçar, é melhor do que se desgastar por causa do trabalho.

Enfim o que o G me disse eu já sabia e é dificil lidar com a primeira impressão que as pessoas tem de voce, porque no meu caso a primeira impressão não é a que fica.
Mas é por isso que a Dondoca se senti intimidada na minha presença, nesse caso eu mantenho a minha postura de superioridade. E de certa forma (eu não sou perfeita) eu gosto de ver que ela tem medo de mim.

quinta-feira, 6 de novembro de 2008

Dia Histórico



Obama ganhou!!!!




Eu prefiro a Hillary, mas infelizmente ela não teve a força para ganhar a candidatura.

Esse é um momento histórico, e de muita esperança para todos nós.
Meu medo é que um doido decide mata-lo, e aqui tem muitos.

terça-feira, 4 de novembro de 2008

Detalhes Sórdidos

O final de semana foi movimentado, com Dondoca, G e a nene aqui em casa.
O acordo foi de que eles poderiam passar o final de semana aqui, mas na hora de dormir eles dormiriam no trailer do G.
É engraçado como voce começa a prestar a atenção nos hábitos das pessoas, quando voce convive uns dias com elas. Principalmente nos maus hábitos: lavar as mãos depois de ir no banheiro.......... coisas desse tipo.
Eu sei que a maioria das pessoas vão pensar que eu estou inventando isso, mas é a pura verdade.
A Dondoca escreveu isso uma vez no blog dela:

“ Let me say this: I talk a lot of shit about G…… on here, and it's all true. But I never talk about the good things. He is always, always, ALWAYS there when I need him. He drives me all over the f……. city even though gas is like fifty million dollars a gallon. He lets me sleep in his camper when I'm homeless. He makes sure I eat, shower, have cigarettes, etc.”

Para quem não entende Ingles, ela esta falando que ela fala mal do G no blog dela, mas que ela vai falar do lado bom dele. Uma coisa que me fez ficar de queixo caido, é que ela fala que: ele sempre lembra ela, de que ela tem que tomar banho!!!!!!!
Naquela época, eu pensei que o fato de que ela usava drogas (heroina) era a causa do “lapso de memória” dela.
Nesse final de semana eu descobri que ela é uma porquinha.





Ela veio para cá com ele na Quinta Feira, e só foi tomar um banho no sábado a noite!!! E tomou um banho, só porque eu perguntei para o G se era impressão minha ou era verdade que ela não tinha tomado banho (só tinha a toalha dele no banheiro. Não tinha garrafa de shampoo ou escova de dentes dela..., pelo amor de Deus, eu quando vou passar uns dias na casa de alguém, levo mil coisas para minha higiene pessoal e deixo no banheiro até a hora de ir embora).

Eu sou fanática por banho. Banho me acalma quando eu estou nervosa. É o melhor remédio para mim quando eu tenho dor de cabeça. Banho lava a minha alma!
No sábado a noite, ela entrou em casa com o nene no colo para dar de mamar, e o G gritou da cozinha:

G - M voce lava as mãos antes de tocar no nene, não?
M - Eu lavo. Porque?
G – Não, eu .... Só estou perguntando.

G – Voce vai tomar banho antes de dar de mamar, não?
M – Não.
G – Vai tomar banho agora.

Ela foi mas disse que não ia lavar a cabeça.

Deu banho no nene na pia da cozinha as 11 da noite.

Eu fui dormir. No domingo fui trabalhar e depois do trabalho fui ver minha mãe, depois fui para casa da A para passar a noite.
G me ligou umas 9 da noite para saber se estava tudo bem, pude ouvir o nene chorando (ela chorou o tempo todo em que ficou lá em casa).
Tomei um banho, e fui dormir.


Hoje é dia de eleição presidencial aqui.


Obama tem que ganhar.

G foi para Miami, vai passar a semana lá trabalhando.
Dondoca voltou para a casa dos pais e eu estou de folga.

Eu nunca toco o nene. Nesse final de semana, todas as vezes em que a Dondoca saiu para fumar no jardim, o G corria para perto de mim com o nene e ficava me mostrando para o nene. Tipo:
- Olha quem está aqui. Honey segura ela. Honey mostra ela para os gatos.

Eu segurei ela um pouquinho uma vez. E ele me olhando...., ele estava encantado com a cena. Na segunda vez eu disse não, disse que não queria que a Dondoca me visse segurando o nene (e o G ao meu lado me olhando com cara de bobo sem entender porque). Eu disse a ele, que não queria causar nem um tipo de sentimento de ciúmes nela, não tinha o porque de fazer isso.
Ele não entende que é uma situação dificil para a Dondoca. Eu e o G, de repente começamos a falar de pessoas que ela não conhece, de ocasiões, de lugares, principalmente quando falamos da familia dele. Os irmãos e a irmã dele que eu continuo com amizade, ligam para ele e pedem para ele dar o telefone para mim para um bate papo rapido. E o pior de tudo, é ele me chamando de "honey" o tempo todo.
Enfim se eu estivesse no lugar dela, eu daria um basta nessa situação, eu faria o G tomar uma decisão. Mas ela não é adulta o suficiente para ter essa força de exigir uma definição da situação.
Ela aguenta, fica quieta quando nós conversamos, e se interrompe a conversa interrompe de uma maneira infantil, chamando a atenção para algo futil que na maioria das vezes nós ignoramos.
Eu sinto pena dela.

domingo, 26 de outubro de 2008

Sem Titulo

`Bill ligou novamente mas eu decide que não quero que ele me amole mais, não atendi o telefone. Não liguei de volta e ele não ligou tambem. Perfeito, me livrei de um chato sem ter que explicar ou fazer uma cena.

Comecei a trabalhar novamente depois de ficar desempregada por 6 meses. Procurei trabalho na minha área mas foi em vão. De quase 30 curriculums que eu mandei pelo internet para várias companhias, só uma me ligou marcando uma entrevista. Até 2006, eu provavelmente teria recebido pelo menos 29 telefonemas para entrevistas, mas parece que dessa vez a situação esta realmente preta.
Eu nem cheguei a ir na entrevista, porque foi num dia em que o palhaço do ex resolveu infernizar minha noite, ligando entre meia noite e 3 da manhã (acho que mencionei aqui em Depois da Tempestade ) não me deixando dormir. Dormi no máximo uma hora; acordei tremendo e com olheiras parecendo uma alcolatra precisando de uma pinga, achei que não seria uma boa idéia deixar essa impressão numa entrevista para emprego num hotel 5 estrelas em Palm Beach.
Acho que Deus achou que esse não era um bom emprego para mim, apesar do salário ser em volta de 100 mil por ano ( uns 1500 por semana já discontado imposto de renda)!!!!
.





Tudo bem.... Ai está mais uma prova de como um ex pode interferir na sua vida e sempre para pior. Mais uma linha na minha lista de pros e contras.
Enfim meu novo emprego e profissão, são uma solução temporaria para esse tempo de crise economica nos USA. É uma empresa grande e considerada uma das melhores para se trabalhar nos EUA ( a quinta numa lista de 100), bons benefícios, salário acima da média, que no meu caso é suficiente para sobreviver esses tempos ruins.
Estou em treinamento por duas semanas em diferentes cidades (Fort Lauderdale, Boca Raton). Viajar diáriamente é chato, mas estou conhecendo gente nova e divertida, enfim estou bem.

quarta-feira, 22 de outubro de 2008

Dondoca


G continua trabalhando na costa oeste da Florida. Ele tem ficado lá inclusive nos fins de semana, com excessão desse fim de semana que passou, porque ele estava com saudades da Dondoca e da “filha dele”.
A Dondoca vai ficar em prisão domiciliar por 4 meses (posse de heroina) e acredito que a pena vai entrar em vigor na próxima semana. G está muito infeliz, porque significa que ele vai poder vê-la só na casa e na compania dos pais dela.
Ele me ligou na sexta-feira passado lá pelas 5 da tarde. dizendo que estava vindo para casa, e que gostaria que a Dondoca passasse a noite aqui em casa. Eu disse, lógicamente Não!!! Não comigo na mesma casa.
Lá pelas 9 da noite ele liga da casa dos pais dela, dizendo que ia vir para cá com ela, ( eu estava falando no telefone com uma amiga no Brasil). Eu disse que isso era um pouco demais. Que ele esperasse até sábado, que eu iria para a casa da A e os dois pombinhos podiam ter a casa para eles. Ele concordou e naquela noite foram para um hotel.
Enquanto isso o Bill havia ligado e queria ir almoçar fora comigo no Sábado. Eu a principio concordei (o G havia dito para mim ir, afinal ia ser um almoço de graça), mas depois, pensando comigo mesma, que se eu na verdade estava tentando me livrar do Bill, e não fazia o menor sentido incentiva-lo indo almoçar com ele. Liguei para ele, disse que não poderia ir porque tinha que ir buscar amigos no Aeroporto que estavam voltando de Washington naquele Sábado (e o pior é que era verdade, só que eles chegariam as 7 da noite). Ele, depois de 2 horas choramingando, aceitou a desculpa, mas disse que não ia esquecer e que eu ficava devendo uma saida para almoçar com ele (aqui se chama Rain Check).

No sábado acordei, e logo o telefone tocou com o G dizendo que vinha me buscar para nós todos (G, Dondoca e Baby) irmos tomar café da manhã no Golden Corral. Aceitei o convite, afinal comida de graça sempre vai bem e eu de qualquer forma queria conhecer a “filha dele”.
Eles chegaram, e eu com minha boa educação somada a pena que eu tenho pela Dondoca (já mencionei aqui que ela agora com 23 anos de idade, continua com uma atitude de uma criança de 10 anos de idade, não é maldade é a pura verdade), recebi ela com um abraço e um beijo. Corri para ver a baby, que é bonitinha, mas muito menor do que o normal para um baby de 3 semanas.
A Dondoca no momento em que me vê, fica super insegura e começa a fazer caras e bocas, quase um tique nervoso e mexer no cabelo (enrolando mechas) de uma maneira incontrolavel. Eu me sinto, de certa forma poderosa por criar essa insegurança nela (Graças a Deus não é o oposto), mas não tiro vantagem disso. Trato ela como uma criança, com muita paciência e escutando ela falar sem parar. Não, não é exagero, ela fala sem parar. No carro, chega ao ponto de eu e o G conversarmos enquanto ela continua falando, como uma criança agitada.
Eu trabalhei com uma mulher assim, e eu costumava dizer a ela : - Não pare, continue falando, eu vou até o banheiro e já volto.
As vezes tenho vontade de tirar sarro da Dondoca dizendo isso a ela, mas sei que o G me estrangularia ( ele detesta o meu sarcasmo).
Ela entrou para trocar a fralda, e dar de mamar. Eu fiquei lá fora conversando com o G. Lá de fora eu ouvia a Dondoca falando sem parar, com o nene ou com ela mesma, sei lá. Alias, ela fala com ela mesma e o G acha engraçado e normal?!?!!!!
Ele pediu desculpas pelo telefonema da noite anterior, e disse que os pais dela tambem não se sentem bem com eles dormindo juntos na casa deles.
Lógico, ele tem que decidir o que ele quer fazer da vida. Ele tem que arrumar um apartamento para eles viverem como um casal de verdade com uma criança.

Bom, fomos para o Golden Corral. Eu e o G sentamos lado a lado, ela e o bebe do lado oposto da mesa. Comemos, ela falando sem parar, o G tentava mudar de assunto perguntando do meu novo emprego, mas foi uma tentativa em vão porque ela voltava a conversa para ela e sobre ela, o que não me preocupou de maneira nenhuma porque eu e o G conversamos tanto por telefone que já não tinhamos mais assunto.
Antes de sairmos do restaurante ela foi trocar a fralda de novo, o G me forçou a ir ajuda-la.
O G havia dito que a criança é muito calma, o que para mim é uma surpresa devido a agitação da Dondoca, que naturalmente passaria essa agitação quase histérica para o nene. Ele disse que não, que os únicos momentos em que ela chora, é trocando a fralda e mamando.
No banheiro do restaurante, ela começou a trocar a fralda e aos gritos ela repetia sem parar algo assim:
- You are my ted bear, You are my ted bear, You are my ted bear, my ted bear……. (voce é meu urso de pelucia ) – A coisa mais irritante do mundo!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! E alto!!!!!! A criança que até então estava dormindo e calma, acordou e abriu o maior berreiro.
Eu, não sabia se dava um soco nela para ela parar com a “cantoria ou melhor gritaria” , ou se eu tentava acalmar a criança. Foram uns 10 minutos de pesadelo. Sai do banheiro quase correndo e toda tremendo com a agitação.
Entramos no carro com ela repetindo aquela frase e a criança continuando com o berreiro. A esse ponto a cara do G, já estava transtornada e desfigurada de exaustão (Ah, como eu conheço aquela cara dele).
Eu dirigindo, o G do meu lado e ela no banco detras com o nene. Eu, botei um cd de rock, aumentei o volume, a Dondoca calou a boca e finalmente o nene se acalmou. Abaixei o volume aos poucos e fomos para casa.
Entramos em casa e ela histéricamente, repetia que tinha que trocar a fralda de novo. O G foi para a lavanderia com as fraldas (ela não usa fralda descartavel), eu fui preparar minha malinha para ir para a casa da A, e a Dondoca começou com a coisa do Ted Bear de novo. Eu não aguentei e fui para o quintal fumar um cigarro.
O G passou por mim, eu não tive que falar e falei:

- G! Faz alguma coisa! o nene chora por causa dela!!!!!! Por que que ela fica gritando no ouvido da criança daquele jeito!!!! Vai no Wallmart compra um disquinho de musica para nanar, pelo amor de Deus. A criança vai ficar surda!!!!!!!!
Ele, virou e com uma cara super aflita, disse: - EU SEI !!!!

Eu sou uma pessoa extremamente calma. Detesto gente que é muito agitada. O G apesar da personalidade bipolar, no dia a dia é calmo. Ele é gentil.
O que eu vi, é que não existia uma coisa sincera da parte dela com a criança. Como eu presenciei com amigas e familiares. Uma voz doce e carinhosa, de relação mãe e filha na hora de dar de mamar ou trocar a fralda. Era como se ela estivesse brincando com uma boneca e não era o que ela queria fazer. Super esquisito.
O G entrou. Quando eu entrei, ela estava no banheiro e o G estava vindo para a sala segurando a criança nos braços. Era uma cena linda. Uma coisa doce e calma. Eu não consegui tirar os meus olhos dele com aquela criança nos braços. Por fim eu disse a ele: - Voce sabe exatamente como e o que fazer. Ele não disse nada.
Não disse a ele o que eu vi na relação da Dondoca com o nene. Achei que ele sabia.

Fui para a casa da A. No dia seguinte liguei para ele para saber do meu gato, mas quando perguntei se estava tudo bem ele disse que não. Disse que discutiram na noite anterior e que a uma da manhã ele levou ela e o nene de volta para a casa dos pais.
Voltei no domingo a noite, ele foi embora na segunda de manhã.
Ele tem ligado todos os dias mas não tenho perguntado da Dondoca.
.
.

quarta-feira, 15 de outubro de 2008

Os Amigos do Ex #2



Tem um amigo chato do G me ligando. Me liga a toda hora. Ele e' velho, casado, mas fica falando que a mulher não liga para ele. Ele disse que se eu não morasse com o G ele estaria batendo na minha porta diariamente. A primeira vez que ele falou isso para mim, eu me senti o máximo, agora me sinto uma droga que só esse velho pentelho quer.
Coitado ele não é tão velho assim, e ele está em boa forma fisica, e pelas feições, deve ter sido um cara bonito quando jovem. Mas, como falei é casado, e segundo ele a mulher tira todo o dinheiro dele. Homem pobre e casado, eu não preciso ter ao meu lado.
Ele morre de medo do G e só vinha aqui quando o G estava em casa (afinal de contas eles são amigos), até que um dia ele ligou dizendo que vinha e enquanto esperavamos o G resolveu dar uma corrida até o banco.
Ah, ai o pesadelo começou. Ele chegou, eu tive que ficar fazendo sala e ai ele se abriu dizendo que sempre teve uma grande admiração por mim, e que não aprovava o que o G tinha feito comigo. Ele ia começar a enumerar as faltas do G quando o G chegou e a coisa morreu por ai. Graças a Deus!!
A partir dai, ele começou a aparecer aqui em casa pelo menos 1 vez por mês. Quando ele chegava eu me “retirava discretamente” e deixava ele e o G sózinhos conversando.
Um dia ele chegou, e a Dondoca estava aqui com o G. Ele não se conformava de que o G estava me traindo. Eu tentei explicar para ele que eu estava pouco me lixando (lembre de que isso tudo aconteceu depois do divorcio que eu entrei com o pedido). Mas, ele não acreditou e continua não acreditando. Mas, com o G oficialmente namorando, o Bill se sentiu livre para tentar me conquistar.
A ultima novidade, é que o Bill vai na casa de um amigo e telefona de lá para minha casa (graças a Deus ele não tem meu telefone celular). Eu, que não atendo telefonema que não tem nome conhecido na Caller ID, não atendia.
Perguntei para o G se ele conhecia alguem com aquele nome e sobrenome, ele disse que não. Recebi uns 5 telefonemas daquele numero até que um dia o G estava em casa quando ele ligou, e eu gritei para o G atender e ver quem era o PALHAÇO QUE FICAVA LIGANDO PARA CÁ, dito e feito era o Bill.
Quando ele desligou eu falei para o G que estava desconfiada de que era o Bill, por que ele estava tentando me “conquistar”.
Eu e o G sempre tivemos uma relação de certa forma aberta para conversas desse tipo, e a gente sempre acaba as gargalhadas.

segunda-feira, 13 de outubro de 2008

O Pior Não é o Ex, O Pior São os Amigos do Ex


O primeiro telefonema que eu recebi, de um homem, logo depois de me separar do G, foi do H.
H e eu nos conhecemos no trabalho, ele muito mais novo do que eu, feio e o que é pior ele tem cara de que não toma banho. Divorciado e casou com a T, com quem ele teve dois filhos, que somados aos 3 filhos do primeiro casamento, fazem 5 filhos. Ele era o que eu considerava um bom menino, um homem que jamais passaria pela minha cabeça de ter alguma atração por ele. Um perfeito amigo homem.
Apaixonadisso pela T, e ao mesmo tempo, toda sexta-feira ele sai com os amigos para dançar, sem a T mas com o consentimento dela, e nada acontece, só dança e bate papo (isso segundo meu sobrinho que acabou fazendo amizade com ele).
Quando o G começou a trabalhar conosco, H e G ficaram amigos logo de cara (eles trabalhavam no mesmo departamento). A amizade fortaleceu com a minha relação e casamento com o G.
Um mes depois da separação fisica, o H me ligou dizendo que o G havia dado $100 dolares para ele, para cortar a grama e dar uma limpada no jardim. Eu estava tão paranóica, que disse a ele que não queria pessoas ligadas ao G na minha casa.
Uma semana se passou e um dia o H bate na minha porta. Eu abri, um pouco confusa, afinal ele era amigo dos dois, mas eu via a ele agora como um inimigo.
Ficamos na varanda conversando, ele dizendo que entendia a minha posição na separação, bla, bla, bla. Eu sem falar muito a respeito e a minha desconfiança era baseada no fato de que eu culpava o H pela atitude do G (principalmente o uso de drogas do G, que era insentivado pelo H, tudo para eles era tão engraçado).
Enfim, num ponto da conversa eu comentei que precisava mover o aparelho de exercicios para um outro quarto. Ele se ofereceu para isso e eu aceitei.
Ele entrou na casa, nós movemos o aparelho, e quando eu abaixei para pegar um dos pesos do chão, ele como todo homem idiota soltou o comentário que acabou com a nossa amizade.

H – Wow! Hum, que bumbum! – Seguido por varios sons de prazer, ele me perguntou se eu não estava sentindo falta de sexo.

Eu – Não! H?!?!?! Por favor!!!!

Ele ficou meio sem graça, mudou de assunto e logo depois foi embora.

Eu tenho essa questão na minha cabeça:
- Quem foi a mulher que se separou e chamou um amigo do marido, dizendo: - Pelo amor de Deus!!!! Eu preciso de um pinto!!!! Venha, estou desesperada!!!!!!!
Se alguem sabe quem é essa mulher, por favor me diga, me de o endereço dela, por que o cara que ela chamou, ligou para todos os homens do mundo para contar e a partir dai, eles acham que mulher divorciada fica esperando ansiosa por um amigo do ex com uma alma boa o suficiente para ajuda-la...

Bom, voltando ao H.... Passou uns dias e ele apareceu de novo.

H – Só parei para ver como voce está.

E, depois de fumar um cigarro na varanda ele atacou de novo.

H – A gente podia pegar um cinema.

Eu – Claro, ve com a T e as crianças quando eles querem ir e nós vamos.

H – Eu estava pensando em só nós dois.

Eu – H, para'. Se voce quer continuar com a nossa amizade, vamos sair eu, T e voce, e talvez eu leve um amigo. Tá bom?

Esse foi o final do meu problema. Ele não apareceu mais, nem telefonou.

Um dia, o G me disse que sabia que eu estava traindo ele com o H. Eu ria tanto, e disse que a tentativa dele de me flagar com o H não tinha dado certo.

quinta-feira, 9 de outubro de 2008

Coisas Que Eu Faço nos EUA Que Eu Jamais Faria no Brasil

    Aqui nos Estados Unidos as pessoas tem uma maneira muito diferente de pensar, cada um faz o que quer e quando quer. Eu me lembro de ouvir comentários no Brasil, a respeito de moda, comentários do tipo:
    - Nossa, ela esta usando uma blusa que se usou no inverno do ano passado.

    Ou ver todas as mulheres vestidas iguais com aquele modelito da novela das 8 que virou moda.
    Aqui, se segue a moda mas não da maneira que se segue no Brasil; quase escravizada pela moda. E isso, é um choque quando voce muda para cá e vê nos Malls (Shopping Centers) como o americano se veste. No começo é engraçado, mas depois de uns anos voce entra na mesma onda.
    Nas áreas mais ricas como Palm Beach (cidade vizinha a minha pobre cidade) a moda é classica e muito á vontade.
    Voce vê os milionários andando de bicicleta em jeans e camiseta, a qualquer hora do dia ou da noite, claro que o Donald Trump, meu amigo intimo!!!!! Esta sempre de terno e gravata (eu frequentava um cinema com meu amigo S, que cobrava só $1.50 a entrada durante a semana e passava um filme diferente para cada dia da semana, e várias vezes a limosine do Trump parava na porta e ele descia com os guarda-costas, comprava pipoca, dava tchauzinho para mim e assistia o filme feliz da vida. Numa entrevista, ele falou que depois de um dia de trabalho ele gosta de ter uma vida normal sem muito festa.)
    Enfim, por isso que eu resolvi hoje deixar de lado o ex, e falar de coisas que eu faço aqui vivendo no EUA que eu jamais faria no Brasil : “Não fica bem.”

  • Sair para tomar café de madrugada (isso eu fazia no Brasil, mas não.....) de pijama

  • Odiar Pizza ( a massa e' horrivel, o queijo e' horrivel, muito molho de tomate e não tem a variedade, qualidade e criatividade dos recheios que tem no Brasil. A unica excessão e' o CiCi Pizza que faz a massa fina, com pouco molho, bastante recheio e com variedade. Voce come quanto quizer por $5.00, e acredite se quizer a pizza de maçã é uma delicia de sobremesa)

  • Comer pizza sem usar garfo e faca (eles acham uma graça se voce come com garfo e faca)

  • Esquecer de fechar a porta de casa e voltar depois de horas e a porta está escancarada e ninguem entrou ou roubou nada

  • Parar no sinal e não me preocupar em fechar a janela do carro, pensando que eu posso ser assaltada (espero que continue assim)

  • Morrer de alegria quando alguem chama a policia, o corpo de bombeiros ou os paramedicos (eles são um colirio para os olhos)
  • Help !!!!!!


  • Ir na loja de material de construção ( Lowe's ou Home Depot) e ficar babando com as novidades

  • Reformar a minha própria casa e ficar feliz fazendo a reforma

  • Trabalhar de faxineira ou caixa no supermercado (quando voce chega aqui, voce topa qualquer negocio)

  • Cortar grama (e' otimo para se bronzear)

  • Usar cupom de disconto quando faço compras no supermercado (e mais raro ainda, ouvir a menina do caixa me perguntar se eu não tenho cupons quando eu esqueço de dar os cupons)

  • Andar só de carro

E quando ando pela rua...



  • Olhar um desconhecido nos olhos e dizer: Bom dia!

  • Ou num dia de sol..: - Hoje o dia está lindo, não?

E ninguem pensa que sou louca por sair falando bom dia para estranhos.

  • Brigar com os esquilos que vivem no jardim da minha casa, porque eles roubam os abacates da minha arvore, comem metade e deixam o caroço com a outra metade para mim.

E para terminar.....

  • Casar, Divorciar e continuar morando com o ex-marido
  • Ter um Blog onde eu passo horas escrevendo bobagens.


quarta-feira, 8 de outubro de 2008

Minha Hora no Cabelereiro é Mais Importante que Voce

O G me ligou um dia durante a nossa separação e antes do divórcio. Dizendo que precisava urgentemente se encontrar comigo para conversar.
Era hora do almoço, e eu tinha hora marcada no cabelereiro as 2 hs da tarde.
Durante o periodo do nosso casamento, eu simplesmente parei de ir ao cabelereiro. O G cortava o meu cabelo, eu sempre usei o cabelo tipo Channel, então não muito dificil de acertar o corte.
Achei que ia ser uma conversa rápida, e que ele fossemos discutir alguns pontos da negociação do divórcio.
Nos encontramos no Ihop, que é a meio caminho do cabelereiro, mas ficamos no estacionamento conversando, fora do carro. Ele começou, contando um drama de que ele não tinha condições de arcar com as despesas da casa sózinho porque ele não estava trabalhando.... enfim ele, ele, ele o pobre coitado ELE.
Fui ficando furiosa com ELE, primeiro porque eu ganhava quase a metada por hora do que ele ganhava trabalhando. Ele tinha ficado em hoteis no periodo da separação e alegava que porque ele não tendo uma residencia fixa, ele não conseguia arrumar trabalho. Eu estava pagando (com o meu dinheiro suado) mensalmente o emprestimo da casa, e paguei por um mes a conta de luz e de telefone, mesmo depois que sai da casa para ele ficar na casa. Não queria pagar mas não tive outra saida, tive que pagar. Depois telefonei para as companias para cortar a luz e o telefone e ele ficou P da vida comigo.
Depois de uma meia hora ouvindo um homem saudavel, bonito, e preguiçoso choramingando, eu dei um basta e gritei (eu nunca grito, falo firme mas não grito):

- Chega de palhaçada (enough, you must be kidding me!). Eu tenho que ir embora.

Ele ficou surpreso com a minha reação ao drama dele: - Porque?

Eu - Eu tenho que ir.

Ele – Quem voce vai encontrar? Quem é ele?

Eu – Eu tenho que ir!!!!!!!!!

Ele – Quem é mais importante do que eu? Quem é mais importante do que essa conversa nossa?

Eu – Quem ou o que é mais importante? Tudo o que se refere a minha pessoa é mais importante. Eu vou ao cabelereiro, e isso é a coisa mais importante para mim agora, EU, EU, e EU. Voce não é nada!!!!! Acabou! Voce era importante, agora voce não é nada. Tchau.

E fui para o meu carro me sentindo poderosa, superior, e livre!!!!!!!!!!!!!
Ele ficou no estacionamento, me olhando, enquanto eu ia embora.
Naquela noite eu, com um corte de cabelo fabuloso dormi como um anjo. Ele passou a noite deixando mensagens ameaçadoras no meu telefone celular, que lógicamente eu desliguei antes de ir dormir.
Nos meses da separação, eu dormia bem, tomava sol todos os dias depois do trabalho, ganhei um bronzeado que eu não tinha hã muito tempo, emagreci, entrei em forma fazendo exercicios, estava saúdavel e feliz. Ele perdeu peso até o ponto que me perguntaram se ele tinha Aids. Adquiriu uma cor cinza na pele pela má alimentação. Não se barbeava, e acho que até banho ele não tomava.

terça-feira, 7 de outubro de 2008

A Gente Nunca Esquece o Ex

A gente nunca esquece o ex- marido. Seja por que odeia, ou por continuar amando, ou no meu caso pelas boas memórias da vida em comum, 14 anos juntos, e uma frustração por não poder mudar a personalidade dele.
Ele continua sendo o meu melhor amigo. Eu continuo falando com ele tudo o que eu não teria coragem de falar para uma pessoa que não fosse ligada direta a mim pelo sangue.
Ele me conhece o suficiente para entender as minhas fraquezas e os meus receios, o que pode ser uma situação perigosa para mim, por que ele pode usar as minhas palavras como uma arma contra mim. Mas, ele não faz, e se abre da mesma forma comigo, reconhecendo os defeitos dele e o efeito que causa na minha vida, na dele e das pessoas em volta dele.
A relação do G com namorada me parece uma relação sólida que vai durar alguns anos, mas não para sempre.
O nascimento da criança mesmo não sendo dele, vai influenciar de maneira positiva a relação dos dois. Se vai durar para sempre? Eu sicenramente não acredito que dure. O temperamento dele vai quebrar a harmonia em algum ponto da relação, e com a criança talvez a M com um instinto de proteção se sinta ameaçada ao ponto de deixa-lo. Por outro lado, ela talvez fique com medo de enfrentar o mundo sózinha com uma criança e se acomode numa relação de submissão por parte dela.
Não sei. De qualquer forma, o que interessa para mim é sair dessa relação e seguir com a minha vida sem o G.

segunda-feira, 6 de outubro de 2008

Liberdade Temporaria

O G foi trabalhar na costa oeste da Florida por 3 semanas!!!!!

Liberdade ainda que tardia (e temporaria).

Isso significa que eu:

  • Vou limpar a casa e a casa vai ficar limpa por 3 semanas
  • Vou fazer tudo o que é impossivel fazer com ele aqui
  • Ouvir a musica que eu gosto (todos as gravações antigas da Bethania)
  • Ler (sem ouvir ele me chamando: - “Honey dá para voce me ajudar!”)
  • Não ouvir ele falando pelos cotovelos no telefone com o pai, ás 4:30 da manhã (adoro o pai dele, mas odeio acordar com a voz do G falando, falando, falando .... sem parar)
  • Não ouvir as conversas dele com a Dondoca no telefone. Ela fala muito então ele fica tentando falar mas não consegue, e isso é o pior da conversa. “- Ah. Que legal! Deixe eu te contar: Eu fui....... Ah. Legal! Como eu dizia... Eu fui no...... Ah. Ok. Mas...... Eu.... fui........ Ah. Ha, Ha, Ha que engraçado.
  • Não ouvir a risada forçada dele que mostra que ele está de saco cheio (eu conheço essa risada, Dondoca ainda não conhece)
  • Dormir a hora que eu quizer e o quanto eu quizer
  • Estudar para o meu novo emprego (começo no dia 15 e é a 5ª. melhor companhia para se trabalhar nos EUA)
  • Tomar sol para parecer mais saudavel
  • Ser feliz !!!!!!!!!

sexta-feira, 3 de outubro de 2008

Separação



Ontem, aconteceu o inesperado. M brigou com o G.

Tudo tinha voltado ao normal. Ela e o nene foram para a casa dos pais, o G foi busca-los no hospital, tudo estava bem.
Na minha visão do que aconteceu, ela deu um sinal de alerta para ele. Ela disse que ele está tentando controlar ela.
Ele tomou esse sinal de forma negativa, vendo a situação dele como namorado e pai postiço da criança; muito insegura. Resolveu que é melhor cair fora antes que seja muito tarde, antes de se apegar demais a criança.
Eu concordo que o melhor seria não se apegar á criança. Mas, é uma maneira muito segura de viver sem o risco de se machucar. Mas o que é a vida sem correr esse risco ?
Ela não quis ve-lo ontem, dizendo que ia sair com a mãe. Quando ele disse que ia encontra-las e depois leva-la para a casa dos pais, ela disse que não precisava dele para busca-la, ela tinha a mãe para isso.
O G deu e esta dando o sangue dele por essa relação. Fez tudo o que foi possivel para ajuda-la a combater o problema dela com drogas (financeiramente e pelo lado emocional), ajudou e acompanhou a gravidez como um pai dedicado e amoroso. Saia correndo do trabalho para ir com ela no médico e nas aulas para pais novatos. Foi um periodo super stressante para ele (emocional e financeiro).
Na minha opinão ela está sendo muito engrata, e o que é pior; usando o amor dele.
Ele me disse que é melhor assim. Vai continuar com o plano de trabalhar no norte, longe daqui, dela e do nene.
Se ela realmente ama o G, ela vai esperar pela volta dele, e lutar por ele. Não sei se ele vai querer voltar e passar pela incerteza novamente.
Ela é muito nova, e agora, com o nene para substituir o vicio da heroina e compensar a vida emocional dela talvez o G seja só um objeto de prazer que ela não nescessita mais.

Eu, estava curtindo a alegria dele com o nascimento da criança, e para ser sincera com inveja de que ele iria construir uma vida nova e ter uma familia dele.
Eu não tenho filhos, por minha própria opção, e hoje me arrependo dessa escolha que fiz.
Conhecendo ele, eu sei que ele está com o coração partido. Não está com raiva, não está respirando como quando ele está ansioso, está calmo, mas a feição dele mostra o desapontamento.
Nessa hora é que vejo o carinho que ainda tenho por ele. Eu não reagi com pulos de alegria, não dei uma risada dizendo – Eu sabia!!!.
Senti por ele, pelo coração partido dele e entendi o sofrimento dele.
Nós somos bons amigos.



quinta-feira, 2 de outubro de 2008

Quero Te Apresentar Meu EX- MARIDO


A primeira vez que eu apresentei o G como meu EX-Marido, foi num domingo no meu trabalho.
Ele me ligou dizendo que ia trazer sandwiche para mim na hora do almoço (é ele é assim mesmo, carinhoso).
Ele veio, sentamos na garagem do hotel, e começamos a comer e jogar conversa fora.
Como aquela área é o fumodromo do hotel, alguns funcionários vieram fumar enquanto nós estavamos lá, ninguém que valesse a pena ser apresentado para o G. De repente G2 aparece. Deixe-me explicar quem é o G2.

Quando eu estava separada do G, e ele fazendo de tudo para infernizar a minha vida, eu ficava no fumodromo conversando com o David. David é um amigo que estava se separando na mesma ocasião que eu, e nas mesmas circunstancias em que eu me encontrava. Conversavamos muito, contando os dramas do dia um para o outro. Como não queriamos que ninguem soubesse dos detalhes sórdidos, nós conversavamos em espanhol. Mas o nome do G que é o mesmo do G2 saia igual. O G2, que fuma como louco, estava sempre ali escutando a conversa, mas não entendendo nada porque ele não fala espanhol.
Um dia, eu me toquei de que ele provavelmente pensava que eu e o David falavamos dele G2 o tempo todo.
Peguei ele de lado e expliquei o que estava acontecendo. Ele deu risada e a partir daquele momento minha tragédia começou a fazer parte da nossa conversa diária. Ele é um cara super legal (2 metros de altura, loiro, bonito, sexy, um homão e ............... gay). O G2 era Chef, cozinheiro chefe do hotel. Á partir do momento que ficamos amigos , sempre que discutiamos problemas de trabalho, ou eu pegando no pé dele por alguma razão, ele dizia: - Tá vendo, voce tem problemas com Gs, ela está se divorciando de mim também.
Era super engraçada a maneira como ele falava. E eu brincava com ele dizendo: - Ah! Desculpa, eu esqueci G, que homem com o nome G não dá para conversar de forma racional.
E assim fomos ficando amigos.
Quando o G2 apareceu na garagem do hotel, onde G e eu estavamos almoçando, G2 e eu trocamos olhares e ele sacou na hora que aquele era o famoso G.
G2 sentou, G olhou para ele com ciúmes (por que eu sempre falava do G2 para o G, contando coisas engraçadas que se passavam no trabalho. Mas nunca mencionei que ele era gay). Antes que G começasse a puxar assunto, eu falei:

- G2! esse é o G, MEU EX-MARIDO.

G que até esse momento estava confiante e relaxado, pronto para mostrar o melhor dele mesmo para o G2 (pensando que o G2 era alguém que eu estava interessada), ficou pálido, me olhou com uma cara de imterrogação e ficou mudo. Ele que é super falador, não conseguia falar nada. G2 começou a falar e ele não respondia estava em choque.
Alguém chegou chamando G2. Ficamos G e eu comendo em silencio. Alguns minutos depois ele disse: - EX ?
E eu disse: - E não é?

Nosso divórcio tinha sido oficializado há algumas semanas atraz.

Terminamos de comer em silencio. Algumas pessoas vieram conversaram comigo. O G, continuou calado.
Até hoje ele me apresenta para os amigos como a esposa dele. Para as amigas eu sou a EX.

quarta-feira, 1 de outubro de 2008

Namorada, Nene, O que fazer?


Ontem o G me mostrou a foto do nene. Ele ficava me dizendo o quanto ela era perfeita e linda, e eu dizendo: - Claro, deve ser...... (pensando comigo mesma pai adotivo coruja).
Ele me mostrou a foto, e eu posso dizer agora: Ela e' linda e perfeita. Uma boneca.
Sinto muita pena por ela não ser filha dele, porque ele está tão carente e a paixão e dedicação dele para com a namorada (Dondoca) merecia ser paga com um nene legitimo.

Conheci os pais da M (Dondoca). Uma situação engraçada, porque eles tem a mesma idade que eu, mas eu sou a outra na vida da filha deles.
Deixei bem claro para eles, o quanto eu estou feliz com o nascimento do nene (eu tinha escrito um comentario carinhoso para a M no blog dela. Um comentário verdadeiro, eu não tenho raiva dela, não tenho o porque de ter raiva dela). E deixei bem claro que o G apesar dos defeitos e um cara de bom coração que vai se matar para ajudar os amigos e pessoas queridas. Mesmo comigo depois do divorcio, ele sempre está ao meu lado nas horas mais dificeis, e sempre me põe para cima nos momentos em que eu estou down.
Ele está questionando a situação dele com a M e o nene. Ele, não sendo o pai e não sendo o marido, não tem direitos na tomada de decisões. Ele quer mais tarde adotar o nene, mas não quer casar com ela. Ele sentiu isso na pele quando estava com eles no hospital. Ele deu a opinião dele mas a decisão final coube aos pais e a ela, e o que eles decidiram não foi o que o G sugeriu.
Ele se sentiu impotente e deprimido porque eles não levaram em consideração a opinião dele.

Com o temperamento dele, eu sei que a situação ficou feia no hospital. Eles proibiram a entrada dele lá. E até chamaram o departamento de Crianças e Familia (DCF) para falar com ele. Para quem mora nos EUA ou conhece o sistema americano, chamar o DCF não é bom. Eles são chamados quando uma criança está em alguma forma de perigo.
Tentei acalmar ele mostrando os dois lados da situação. Todos estão inseguros, e para eles o que os medicos dizem é lei. Não importa se para alguem de fora a situação parece errada, e parece que os medicos estão fazendo alguma coisa errada. Ela e os pais, a principio vão confiar nos medicos.
Geralmente eu consigo fazer com que ele se acalme e veja tudo com mais clareza (lógico que só quando eu não estou envolvida na situação, é que eu consigo acalma-lo).
O G está esgotado, voltou magro e abatido ( os pais disseram que ele quase não dormia). Fiz um super jantar para ele, e mandei ele dormir.
Eu sou assim, eu continuo cuidando dele como uma cadela magra que deita na porta da minha casa quando está com fome, e quando engorda vai embora dando para todos os cachorros da vizinhança.
Ele voltou a trabalhar hoje e tem planos de vender a casa e ir embora para o norte sozinho. Conheço ele, ele não vai mudar e não vai embora para o norte. Eu só espero que ele continue com o plano de vender a casa.

P.S.: O nene está bem. Era só uma assadura e um pouco de febre, mas eles continuam no hospital.

sábado, 27 de setembro de 2008

A Namorada do Ex


A Dondoca deu a luz ontem. Uma menina saúdavel e de cabelo preto (detalhe o G e' loirinho e a Dondoca tem cabelo castanho claro).
Segundo o G, o verdadeiro pai não quer saber da criança. E o G pensa que daqui ha' uns dois anos se tudo estiver bem entre os dois, ele vai provavelmente adotar a menina ( quando digo menina me refiro ao nene não a namorada dele, ha, ha, ha!!!).



Alguem numa busca colocou: Arrumar uma namorada para meu ex- marido.


Cuidado........ Leia o que eu escrevi aqui.

Quando voce fizer um pedido á Deus, cuidado seja bem especifico, porque Deus tem um senso de humor terrivel. Porque?

- Pedi á Deus que meu ex encontrasse alguem como ele, e que entendesse ele, e que eles fossem felizes para sempre ( tinha a ilusão de que ele me deixaria em paz). Ele encontrou uma moça 30 anos mais nova que ele (e eu), viciada em drogas, com ficha na policia. Estão apaixonados e felizes. Ela parou de usar drogas, ele também. Ela esta grávida, ele está tão feliz com ela que até queria que ela viesse morar com a gente!!!!!

sexta-feira, 26 de setembro de 2008

Um Homem Caiu no Meu Blog


"Minha namorada voltou pro ex marido", essa foi a frase usada na busca que acabou mostrando meu blog para esse Homem (he,he,he).

Segundo Dr. Phil McGraw um psiquiatra americano que tem um programa a tarde na NBC, um casal que se divorcia e volta a viver juntos para uma segunda tentativa no casamento, tem uma porcentagem muito pequena de sucesso.
Eu, no meio do divorcio, voltei a morar com meu ex porque a vida dele estava literalmente indo pro esgoto, ele não conseguiu segurar a barra da separação.
Me ligava 10 ou mais vezes por dia (no meio da noite, e digo as 2, 3 da manhã) gritando, xingando e pedindo ajuda emocional.
Foi um pesadelo que terminou comigo no telefone negociando (eu dizendo que o G não é um homem violento) com a S.W.A.T., que estava cercando a minha casa (onde ele estava morando). Uma vizinha depois de uma discussão com ele, e por vingança, disse que ele estava armado com um rifle (coisa muito comum aqui nos EUA). Depois de horas da casa cercada por +ou- uns 40 policiais, um policial com um megafone mandando ele sair da casa, outro no telefone com ele e comigo; eles finalmente arrombaram a porta da frente (eu estava falando com ele no telefone quando isso aconteceu, ele disse que me amava e desligou o telefone). Invadiram a casa e levaram ele preso.
Enquanto isso, eu vinha dirigindo da casa da minha irmã, a 1 hora da manhã pensando que eles tinham matado ele. E para piorar a situação, um furacão tinha atingido a nossa area na noite anterior, e com a falta de luz e danos causados pelo furacão etc eles impoem o Estado de Sitio ( ninguem pode sair de casa quando anoitece.)

Cheguei, ele já tinha sido levado preso, não me deixaram entrar na minha propria casa. Fui questionada pela Homeland Security (policia contra terroristas), a casa toda foi toda revirada porque eles revistaram procurando o rifle que não existia e continua não existindo. Finalmente pude entrar na casa e chorar.......
Quando ele voltou 2 horas depois de ser preso, ele me implorou para ficar. Fiquei.



Por meses tivemos o melhor sexo do mundo. Não discutiamos, tudo ficou perfeito.
Eu lia para ele todas as manhãs livros do tipo: como buscar equilibrio emocional. Lia partes da biblia para ele. Nos domingos, eu trabalhava mas ele ia a igreja com a minha mãe. Enfim, tentei de tudo para dar suporte emocional a ele.
Comecei a pensar que eu tinha cometido um erro pedindo o divorcio, mas eu tenho esse instinto que me dizia: não volte atrás.
Finalizamos o divorcio 2 meses depois. Nossos advogados trocando olhares de interrogação a cada piadinha que o G fazia e eu ria, a cada gesto de carinho dele comigo (segurando a minha mão, ele sempre faz isso quando esta com medo), por fim eles disseram que nós provavelmente iriamos reatar.
1 ano se passou, no segundo ano tudo começou a mudar, a voltar como era no final do casamento. Meu instinto e Dr. Phil McGraw estavam corretos.

_____________________________________

Se a sua namorada voltou para o ex, não diga e não faça nada. Se voce tem paciencia, espere para ver o que vai dar. Vai depender de quanto tempo eles viveram juntos e a razão da separação.
No meu caso, foram 10 anos de vida matrimonial e 4 de divorcio, ele não mudou. Não vai mudar.
Se eles foram casados por poucos anos, e são jovens pode ser que mude.



Obviamente ela continua amando o ex-marido, então será que não é melhor voce procurar outra mulher?


Pense, analise e lembre-se: Conselho só é bom para quem esta dando.

quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Quando é hora do marido virar ex?



Essa pergunta e' a mais comum na cabeça da mulher que ve que o casamento acabou. Quando os sinais de desgaste da relação aparecem, sinais como estes:
- Voce acha ótimo que ele vai dormir cedo.
- Nem liga quando ele sai sexta-feira a noite com amigos.
- Voce nem lembra dele quando voce sai com seus amigos (ele não quis ir ou nada pode ir com voce.)
- Repara so' os defeitos e as manias dele. Era tão bonitinha a risada dele e agora e' irritante.
- Voce ve cada ruga na cara dele.
- E o pior de todos voce imagina que acorda e ele ainda esta na cama, voce vai chamar ele e ele não acorda. Teve um ataque do coração enquanto dormia.
Esse e' um caso extremo. Esse minha cunhada me disse que foi o sinal final; que ela viu que o casamento dela precisava terminar. No caso dela, ele bebia e usava drogas. Traia ela como louco, e ela trabalhando e cuidando do filho. Ela me disse que nunca pensou em suicidio ou em mata-lo mas a ideia de que ele caisse duro no meio de uma discussão não saia da cabeça dela.
Hoje, depois de 10 anos de divorcio, ela casou com um cara super legal, teve outro filho e vivem bem. Ele tambem casou e ela fez a decoração da festa do casamento dele.
- São muitos os sinais de que o casamento precisa terminar. No meu caso, mesmo com o carinho que tenho por ele, continuar vivendo juntos seria desgastante para nós dois.

O pior é que nós sabemos quando chegou ao fim, mas é tão dificil aceitar. Tente um conselheiro matrimonial. Não tente engravidar, ha' não ser que voce queira sair da relação com uma "lembrança".

E se ha' violencia na relação .... nem pense 2 vezes, sai fora. No primeiro sinal de violencia cai fora. Lembra da frase Quem ama não mata? Eu não esperaria para ver se a frase e' verdadeira.
Aqui nos USA a violencia contra a mulher e' muito grande, a mulher americana e' violenta tambem, por uma questão de cultura (eles pensam que com uma arma na mão se resolve tudo).
Enfim, pense muito depois de tomar uma decisão, mas se voce esta pensando no assunto e' porque provavelmente o casamento ja' esta terminado.

P.S.: Não deixe ninguem interferir na sua decisão. Conselho e' bom para quem esta' dando.

quarta-feira, 24 de setembro de 2008

Amanhã é o grande dia

Ok, amanhã vão induzir o parto do nene.
G esta todo nervoso. Está calmo, mas tentando resolver todos os problemas que ele tem antes dela ir para o hospital.
Como o nome que ela escolheu é Jasmine, eu sai e comprei um jasmim para dar de presente a ela ( ela ganhei de tudo para o nene).

Mudando de assunto...
Andei investigando como as pessoas "caem" no meu blog. Fiz uma lista das pesquisas no Google que acabam chegando no meu blog. Essa lista esta do lado direito da tela com o titulo "BUSCAS QUE ACABAM CAINDO NO MEU BLOG"
Como poucas pessoas estão atendendo o meu pedido de ajuda, porque 99% vem, le, mas não deixa comentarios, resolvi tentar ajudar as pessoas que estão buscando ajuda no Internet, respondendo essas perguntas.
Tenho a experiencia do casamento, separação fisica, separação legal, volta, desencontros, traição, barreira de culturas e linguas diferentes , enfim tudo que pode acontecer numa dramatica vida a dois.
Vamos ver no que da'.

O principal e':
- Manter um pensamento positivo porque um dia o drama vai terminar

Mudando de Assunto Novamente...........

Eu sou uma fã incondicional do seriado Sex and the City. Assisti na HBO, depois aluguei os DVDs e depois aluguei novamente, so' que da ultima vez eu pulei algumas partes monotonas, e por fim quando fizeram o filme eu fui uma das primeiras a assistir. MAS, fiquei furiosa com o final achei que ela não deveria aceitar o Big de volta. Essa e' a minha maneira de pensar.
Minha irmã quase me bateu quando eu dei a minha opinião. Pensa bem, dez anos de drama com ele e toda a paixão dela por ele, e ele se apavora. Pelo amor de Deus, ela e' que tinha que se apavorar.
Dois episodios com a Carrie e o Big que eu adoro o dialogo, são:
- No hospital, depois da mulher dele cair e quebrar o dente, a Carrie fala para ele:
"I'm so over you, so over that we have to create a new word for over." Não sei como foi a tradução para o Portugues, mas em Ingles e' perfeito.
Eu repetia essa frase na minha cabeça um milhão de vezes a cada discussão com o G.

- Meu outro favorito, e' quando ela esta' indo encontrar as meninas para o jantar de despedida dela, ela vai embora para a França e o Big aparece.
Não lembro todo o dialogo mas eu chorava de pena dela e de mim porque a situação e' a mesma; sempre que estava tudo perfeito na minha vida ele aparecia e tentava voltar.

Não caio mais nessa Mr. G



Boa noite.

Soluções Para Problemas


Examinando as estatisticas desse Blog, eu notei que a maioria dos visitantes encontram o blog através de pesquisas.
98% das pesquisas são referentes a se livrar de alguem ligado ao ex-marido.
Amiga do ex-marido, apartamento do ex-marido , são algumas das frases usadas nas pesquisas.
Infelizmente eu não sou a pessoa indicada para dar conselhos para a solução de problemas com ex-maridos, eu ainda não consegui me separar do meu ex, mesmo estando divorciados!
Peço desculpas. Mas continue visistando e por favor me ajude se for possivel com soluções.
E por favor não quero soluções dramaticas ou passionais.
Enfim, eu estou tentando e parece que a melhor maneira é uma boa conversa. Alias, minha mãe sempre disse que eu; de todos na familia sou a que tem mais diplomacia lidando com problemas. Ela tem razão. Eu detesto gritaria, discussões com furia não levam a nada. Sair de perto de alguem que está enfurecido e deixar que a pessoa se acalme é a maneira certa de lidar com uma situação que esta a beira da perda de controle.
Dizer que eu precisava usar o banheiro é uma desculpa que eu usei algumas vezes, ele continuou do lado de fora do banheiro falando até que eu disse: - Dá para voce esperar eu terminar o que estou fazendo! – na verdade eu não estava fazendo nada, só sentada no trono esperando ele se acalmar. Funcionou ele se acalmou e voltamos a conversar calmamente. Lógico que a formula perde o efeito se usada muitas vezes.
Voce pode usar o truque do telefone. No meu caso eu ia até o quarto e discretamente chamava o telefone da casa pelo celular. Atendia correndo para ele não ver na CALLER I.D. quem estava chamando. Esse truque sempre funciona.
Calma e paciência.
Eu uso Florais de Bach: mustard. São gotinhas que voce pinga na boca que ajudam o cerebro em diferentes situações. Funciona. Convenci ele a usar e está funcionando. Ele esta mais calmo.

quarta-feira, 17 de setembro de 2008

Trabalhando Duro Mas Com Prazer

Comecei a arrumar a casa para a venda!!!!
Comecei com uma limpeza nas areas que a gente não limpa a toda hora. Comecei tirando tudo dos armarios da cozinha, e separando louça e utensilios que eu nunca uso, e já pus em sacolas para levar para o Goodwill e Salvation Army (eles vendem coisas usadas para ajudar pessoas com deficiencias fisicas ou mentais, e no caso do Salvation Army pessoas com problemas financeiros).
Ficou bom.
Antes
Depois


Pintei o concreto da varanda, que era todo manchado. Eu trabalhei com arquitetura por 15 anos no Brasil e nunca vi o tipo de acabamento que as construções de classe media americanas tem, é muito ruim o Brasil dá de dez a zero.

Antes


Depois


Depois ataquei o chão do meu banheiro.

Antes

Depois

Aqui e facil fazer esse tipo de reforma, em duas horas eu sai e voltei para casa com tudo o que precisava.

G voltou hoje para casa (ele estava trabalhando em Vero Beach, e não acreditou na transformação.

Não sei quantas vezes eu quis fazer essas pequenas mudanças na casa mas ele não deixava porque achava que era muito trabalho.