quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Tudo Igual

Puxa, o tempo voa, e eu nem posso dizer que fiz muita coisa nesses últimos meses.

Continuo trabalhando no café e em horários que não me dão a oportunidade de fazer muito à noite, Trabalho um dia de 1 às 9 da noite ou de 2 às 10, enfim quando chego em casa estou tão cansada que sento em frente da TV e fico vegetando, com o controle remoto na mão, mudando de canal mas não assistindo nada porque não tem nada de bom para assistir,

Aqui, os 200 canais de televisão são tão ruins que eu acabo assistindo a BBC (adoro Dragon´s Den), ou vou no Hulu e assisto um dos seriados que pelo menos não tem a interrupção de comerciais (adoro o House ou Cougar Town). E quando estou sem sono assisto um filme no netflix.

E mesmo entrando tarde no trabalho, a parte da manhã é consumida, entre cuidar da casa e o sempre dependente G me atormentando, falando pelos cotovelos.

Mais do que nunca, eu preciso de umas férias dele. Na verdade eu preciso de umas férias até de mim mesma, mas umas férias da presença, da voz, da bagunça dele já ajudava.

Depois que a Dondoca deu o fora nele, ele resolveu investir nele mesmo. Achei ótimo!

Ele começou a estudar photoshop, word, dreamweaver, e até pegou uns livros na biblioteca para “reaprender” o Ingles que ele esqueceu, enfim investir em conhecimento é sempre bom. Ele esta pedindo ajuda financeira do governo para voltar a estudar. Vamos ver no que dá.

A Dondoca saiu da vida dele, ele nunca mais procurou ou quiz saber dela. Conhecendo o G, eu sei que essa é a reação dele quando ele é rejeitado, não procura a pessoa mas sei que ela continua na cabeça dele. E sei que se ele encontrar com ela na rua e ela fizer “festa” para ele, ele vai cair aos pés dela e tentar reconciliar. Esse é o G, carente demais,

A Dondoca aparece na loja pelo menos uma vez por semana, e eu cumprimento, do tchauzinho como se nada tivesse acontecido, como se eu não tivesse expulsado ela da minha casa, como se eu não tivesse participado da loucura que foi a relação dos dois. Ela conversa comigo me conta as novidades no progresso da vida da filha dela e eu reajo como reagiria com qualquer cliente; com entusiasmo e um sorriso automatico.

Ela não pergunta do G e eu não falo sobre o G.

O problema agora é que sem uma namorada o G parece mais uma velha solteirona que fica na janela olhando o que os vizinhos fazem e reclamando de tudo.

O meu vizinho do lado esquerdo ( olhando da rua para a minha casa ele esta à direita) é divorciado, esta raramento em casa porque ele trabalha o tempo todo. Ele agora tem o pai dele (uns 80 anos) vivendo com ele. Ele é calmo, fala baixo, e parece ser um cara super legal, sai de manhã para andar com o pai e depois vai trabalhar, volta tarde da noite, não incomoda ninguem.

Desde que eu me divorciei eu me refiro a ele como o “meu futuro marido” (não para o G, se ele sonha ele me mata).

Eu realmente gosto dele (não é amor, é um sentimento bom, de simpatia quando estou perto dele, como um bom amigo) e segundo o G, que nota o jeito que o MFM (Meu Futuro Marido) me olha, o MFM tem uma forte atração por mim.

- “Voce não percebeu quando voce foi até o seu carro? Eu estava falando com ele e ele não conseguia tirar os olhos de voce!!!!”

- Não, não notei. (Mentira, eu vi que ele estava me olhando e dei um tchauzinho para ele)

- Ele nem prestou a atenção no que eu falei, voce indo e vindo e ele só te olhando.”

- É mesmo? Não, não notei.

Bom, mas voltando a Tia G,,,,,,,

O que aconteceu entre o G e o MFM, foi patético. O G notou que o MFM deixou a lata de lixo com o lixo de jardim a semana toda na rua. O lixeiro para jardim passa na sexta-feira, o lixo reciclavel e o lixo comum tambem são recolhidos na sexta-feira. Na terça-feira só o lixo que não reciclavel é recolhido. Se voce colocar qualquer outro lixo na terça-feira, ele não vai ser recolhido e vai ficar lá até a sexta-feira!!!!!!!!!!!!!!

Para qualquer pessoa normal isso não é um problema, mas para o G é o fim do mundo. (louuuuuuuuco!!!!!)

Ele me perguntou se eu havia notado a lata de lixo lá na rua, e eu disse que não. E ai vai o dialogo:

- Voce não presta atenção na rua quando dirige?

- Presto, presto atenção em coisas importantes.

- Voce vai e volta do trabalho e não vê?

- G! Quando eu vou trabalhar eu geralmente estou atrasada porque voce fica me atrasando, eu saio que nem uma bala daqui. Quando eu volto, eu estou tão cansada e doída para voltar para casa que pode ter um corpo caido na rua e eu provavelmente vou passar por cima. Voce acha que eu vou prestar a atenção na LIXEIRA do vizinho?

- Eu vou falar com ele!!!

- Claro, fala com ele.

Mas ele não falou.

Chegou sexta-feira o lixeiro levou todo o lixo, Deu umas horas e lá vem o MFM com outra lata de lixo cheia de folhas. Deixou lá na rua e foi trabalhar.

Logo depois vem o G se queixando. Graças à Deus eu tinha que ir trabalhar e não tive que ouvir mais drama.

Naquela noite o MFM voltou tarde da noite. Eu estava na varanda e quando vi ele chegando entrei e falei para o G:

- Ele voltou, porque voce não vai lá e fala com ele. Só me diz se voce quer que eu chame a ambulancia antes ou depois dele te encher de porrada!!!!!!!

O G riu e foi dormir.

No dia seguinte ele falou com o MFM e nunca mais ele deixou a lata de lixo fora no dia errado.

Esse é um tipico exemplo da minha vida com o G, as preocupações dele, o temperamento paranoico dele (porque ele chegou a mencionar no episodio da “lata de lixo” que o MFM fazia isso só para encher a paciencia dele!!),

Enfim, nada mudou nesses ultimos meses e acho que dificilmente vai mudar.

Nenhum comentário: